A(deus) Diego Maradona.

Maradona perdeu a vida, mas será sempre recordado “El Pibe de oro”, que tanto deu ao futebol mundial.

 

 

Morreu hoje, com 60 anos Diego Armando Maradona. O médio argentino recuperava de uma cirurgia ao cérebro e sofreu uma paragem cardiorrespiratória na residencia onde vivia, em Buenos Aires.

O craque que para além de talento, era um homem inteligente e com vontade e força de vencer.  Foi nomeado como um Deus no seu país natal, e tem inclusive uma igreja dedicada a ele.  Um dos momentos mais marcantes da sua carreira aconteceu no Mundial de 1986, contra a seleção da Inglaterra. Maradona usou a mão esquerda para marcar o golo da vitória,  a mão que recebeu a alcunha de “mão de deus”.

 

 

Tudo em grande, do relvado à vida pessoal, Maradona nasceu num bairro pobre, nos arredores de Buenos Aires. Aos nove anos, começou a jogar numa equipa local, e pouco depois mudou-se para o Argentino Juniors.
Com apenas 15 anos estreou-se na divisão principal.
Deixou o Boca Juniors e mudou-se para Barcelona, mas o melhor ainda estava por vir.

Em 1984 transferiu-se para o Nápoles e foi lá que viveu os melhores anos da sua carreira. Venceu dois títulos de Itália, uma Taça UEFA, Taça e Supertaça italiana.

O mundo caiu a seus pés, em 1986, no Mundial do México,  quando levou a Argentina ao título mundial. Marcou cinco golos, dois dos quais, frente à Bélgica e à Inglaterra. Sempre com a bola colada ao pé, passou por todos os adversários que lhe iam surgindo na frente até marcar.