Observador

ObservadorObservador

A Rede Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica acolheu 625 pessoas desde Setembro

Nesta segunda vaga da pandemia, A Rede Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica acolheu 625 pessoas, e fez mais de 12 mil atendimentos, sendo que há ainda 150 pessoas que conseguiram concluir o processo de autonomização.

Hoje, e por ocasião do dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres o governo anunciou uma nova campanha contra este tipo de violência onde Rosa Monteiro, secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, avançou com a informação que desde que começou esta segunda vaga – 28 de setembro e o dia 08 de novembro-, a Rede Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica acolheu 625 pessoas, entre 309 mulheres, 304 crianças e 12 homens, avança a agência lusa.

Ao longo destes 41 dias da segunda vaga da pandemia, foram realizados 12.419 atendimentos, o que demonstra, que em média, a Rede fez quase 303 atendimentos por dia. Rosa Mota, salientou que entre os 12 mi, 503 eram “situações novas que chegaram pela primeira vez às equipas de atendimento à procura de ajuda”.

Durante o mesmo período 150 pessoas conseguiram concluir o seu processo de autonomização. Relativamente a isto, Rosa Monteiro adianta que nesta altura as equipas contaram um maior apoio por parte das famílias no decorrer do mesmo.

“Talvez por um aumento da responsabilidade, solidariedade e perceber que face a todas as dificuldades da pandemia estas mulheres estão ainda numa situação mais crítica e vulnerável”, comentou a governante.

Rosa Monteiro acrescentou ainda que esta rede informal de familiares foi fundamental para facilitar as autonomizações e as saídas destas mulheres das casas e estruturas de acolhimento, e que isto é um sinal da transformação, que deve continuar a manifestar-se.

Relembra-se que existem 180 estruturas de atendimento e, ao nível do acolhimento, 26 estruturas de emergência e 35 casas de abrigo, sendo que em termos de vagas a situação está sob controle.

Hoje foi também formalizado o Pacto contra a Violência, trata-se de uma rede de entidades que colaboram na oferta de respostas de urgência e apoio ao trabalho da RNAVVD.

Segundo os dados mais recentes do Governo, no ano de 2020 a violência doméstica já matou 20 pessoas até ao dia 19 de novembro, 16 das quais mulheres.

As participações de crimes de violência doméstica cresceram entre julho e setembro, com 8.228 ocorrências participadas à PSP e GNR, mais 1,12% do que as 8.137 no período homólogo de 2019 e mais do que as 6.928 registadas no segundo trimestre de 2020.

Também o número de pessoas presas por crimes de violência doméstica aumentou, assim como o de pessoas integradas em programas para agressores.