Escolas de dança podem ter que fechar portas

Mais de metade das escolas de dança correm o risco de encerrar definitivamente. Os seus profissionais perderam cerca de 500 euros de rendimento liquido devido à pandemia, segundo um barómetro da PlataformaDança hoje divulgado

Foto: Lusa

Em comunicado, a PlataformaDança – Associação Nacional de Dança – refere que os dados recolhidos no barómetro apontam que mais de metade (53%) dos profissionais considera que “a situação vai ficar pior ou extremamente pior” e que 12% das escolas já encerrou irreversivelmente.

A faturação das escolas também sofreu uma redução superior a 50%. Entre 01 de Março e 01 de Outubro, 40% das companhias de dança viram a totalidade dos seus espetáculos serem cancelados.

Perante estes dados, a plataforma conclui que a dança “não aguenta mais restrições e que são necessários apoios e estímulos concretos para a retoma”.

Os indicadores recolhidos mostram que 77% das pessoas que exercem a profissão têm formação superior especializada, 75% dos profissionais que mantêm a atividade é trabalhador independente (recibos verdes) e que pelo menos 5% do total de profissionais abandonaram a profissão.

O inquérito do terceiro trimestre do ano centrou-se no impacto da covid-19 no setor e foi dirigido a bailarinos, professores, coreógrafos, escolas e companhias de dança, tendo sido realizado entre 26 e 31 de Outubro, ou seja, antes de se conhecerem as novas medidas do estado de emergência.

A PlataformaDança foi fundada no final de Setembro para reunir profissionais e instituições de dança, de todo o país. Bailarinos, professores, escolas e companhias querem defender os interesses específicos da área.

O setor das escolas de dança envolve aproximadamente 500 estabelecimentos de ensino, 70.000 alunos e 5.000 profissionais, segundo dados da plataforma.

Caso as restrições impostas devido à pandemia predominem, metade dos estabelecimentos de ensino está em risco de fechar as portas nos próximos meses.