Licitação principal do 5G atinge 264,7 milhões de euros

Depois de 50 dias, num total de seis rondas, as propostas totalizam 254,7 milhões de euros de acordo com a Anacom

 

O leilão arrancou a 14 de janeiro e segundo informação oficial de quem licitou não há data para o final, mas está previsto que a atribuição das licenças 5G (quinta geração) decorra até final do mês.

O montante final encaixado com o leilão depende dos lotes que forem atribuídos durante o processo e se são adquiridos pelo preço de reserva, mas se tivesse terminado hoje, somando a licitação dos entrantes (84,3 milhões de euros), o Estado teria um encaixe de mais de 349 milhões de euros (valor indicativo era de 237,9 milhões de euros).

 

 

No dia em que completa o 50.º dia de licitação principal, as propostas representaram hoje um acréscimo de pouco mais de 900 mil euros face aos 263,8 milhões de euros de terça-feira. Desde o quarto dia de licitação, apenas um lote da faixa libertada da TDT (700 MHz) – que tem seis lotes – continua sem qualquer oferta e é o único de todo o leilão.

 

A licitação principal inclui os operadores Altice Portugal (Meo), Nos, Vodafone Portugal e também a Dense Air, e visa a atribuição de direitos de utilização de frequências nas faixas dos 700 MHz, 900 MHz, 2,1 GHz, 2,6 GHz e 3,6 GHz, depois de uma primeira fase exclusiva para novos entrantes.

Os novos entrantes podem beneficiar de ‘roaming’ nacional no acesso às redes dos operadores já instalados, independentemente da qualidade de espectro que adquiram, de acordo com as condições do leilão.