Google contribui com 25 ME para fundo criado pela Fundação Gulbenkian e Instituto de Florença

A Google anunciou no dia 31 de março que vai contribuir com 25 milhões de euros para o novo Fundo Europeu para os Media e Informação criado pela Fundação Gulbenkian e o Instituto Universitário de Florença, que visa combater a desinformação

A criação do fundo europeu para combater a desinformação global tem o objetivo de apoiar projetos de literacia digital e verificação de factos na Europa.

“Ao mesmo tempo que navegamos nas incertezas e nos desafios do ano passado, ficou provado que é mais importante do que nunca que as pessoas acedam a informações precisas e separem factos da ficção. É por isso que a Google está a contribuir com 25 milhões de euros para ajudar no lançamento do Fundo Europeu para os Media e Informação para reforçar as competências na literacia digital, combater a desinformação e apoiar a verificação de factos”, afirma Matt Brittin.

“O nosso compromisso a cinco anos irá apoiar o trabalho do Instituto Universitário Europeu, do European Digital Media Observatory [Observatório Europeu de Media Digital] e da Fundação Calouste Gulbenkian para financiar organizações que procuram enfrentar desafios chave”, acrescenta.

Estes desafios passam pessoas a reforçar as competências em literacia digital, apoiar e escalar o trabalho crítico dos verificadores de factos (‘fact-checkers’), bem como reforçar as competências, a investigação e os recursos para ajudar a combater a desinformação.

Matt Brittin desafia outras organizações a seguirem os passos da Google e a apoiarem este trabalho, que considera importante.

Nas próximas semanas, o fundo estará aberto a propostas de académicos, organizações sem fins lucrativos e ‘publishers’ com sede na União Europeia, Islândia, Liechtenstein, Noruega, Suíça e Reino Unido, adianta.

A Google disponibiliza financiamento e apoio técnico, desde 2015, “a organizações focadas na luta contra a desinformação, incluindo novos modelos inovadores como o CrossCheck em França” e proporcionou formação na verificação digital “a 90 mil jornalistas europeus”, tendo o seu ‘site’ formação “recebido mais de 400 mil visitas”.